SIL inova com máquina de teste de sobrecarga

Utilidade pública. Esse foi o objetivo da SIL Fios e Cabos Elétricos ao criar a máquina de teste de sobrecarga para apresentação ao público durante a Feicon Batimat – Salão Internacional da Construção de 2017. Com a crescente incidência de fios e cabos desbitolados no mercado – ou seja, produtos com menos cobre do que o correto –, a empresa viu na iniciativa uma maneira de conscientizar as pessoas do risco dos produtos fora de norma, mostrando o impacto da falta de qualidade.
Em apenas um minuto, o teste realizado no equipamento apresenta, de forma prática, a diferença de um produto de qualidade comparado a um fora de norma.
O efeito mostrado no curto espaço de tempo pretende que as pessoas entendam que o barato tende a sair caro. Mais: que o barato é uma farsa e só o é porque possui menos cobre. Trata-se de um teste para deixar clara a diferença entre os dois produtos e as consequências causadas em uma instalação ao fazer a opção errada em curto ou médio prazos.
Nelson Volyk, gerente de Engenharia de Produto da SIL, explica que o teste de sobrecarga tem por objetivo comparar um produto de qualidade com um desbitolado, demonstrando que sua capacidade de condução de energia é menor:
“Durante a simulação fazemos passar uma corrente elétrica muito alta pelos dois cabos, em uma ligação série, onde a corrente que passa por um produto é exatamente a mesma que passa pelo outro. Mostramos que o produto dentro da norma aquece por efeito Joule, já que se trata de um teste de sobrecarga, mas seu isolamento não se altera, enquanto que o cabo desbitolado esquenta tanto que o material isolante derrete”.

Em formato de maleta para treinamentos

O fato de a máquina de teste de sobrecarga ser maior em sua primeira versão limitava seu transporte e, consequentemente, a aplicação dos testes durante os treinamentos realizados pela SIL por todo o Brasil. Identificada essa dificuldade, o equipamento passou por uma reformulação e já na Feicon 2018 se apresentou em versão reduzida, um novo projeto que permite ser despachada como bagagem em aviões.
“Menor e mais leve, agora podemos levá-la para qualquer lugar. Apenas no início deste ano, já realizamos testes com ela em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Mato Grosso. Importante destacar que nesta nova versão acrescentamos um amperímetro para mostrar a corrente elétrica que circula nos condutores durante a simulação”, finaliza Volyk.

ASSISTA O VÍDEO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *